Bem Vindo Visitante 7369096. Hoje é Quinta-Feira, 17 de Abril de 2014· PESQUISAR · SITEMAP · VERSÃO INGLÊS

Produced by Adrian Frey   |   Developed by Claudio Fauvrelle

 
KPMG Mozambique
 
Publicidade
Anuncie Aqui!

Motorcare Moçambique
 
Últimos Classificados

Camião E Veículo à Venda (66)
AnÚncio De Vagas Save The Children 2 (181)
AnÚncio De Vagas Save The Children (124)
Club Of Mozambique: Vaga De Jornalista (249)
Carrinho De BebÉ (132)
Gestor Nacional Da Rede Troca Aki (223)


Últimos Concursos

Contratação De Um Consultor Para Elaboração De Um Projecto Executivo Para Construção De Um Mercado Modelo De Referência
Compra De Bens Abatidos Pelo Estado
Contratação, Fornecimento, Manutenção E Reparação E Aquisição De Diversos
 

Moçambique Câmbios

MoedaCompraVenda
EUR41,9842,26
USD30,4330,63
ZAR2,912,93

Data: 14/04/2014
Fonte: Banco Moçambique
Comentários

Envie-nos seu comentário sobre este website.

Últimos Comentários
Visitantes Online
Online Visitors: 13

Admin LogIn
Username

Password



Noticias para Economia

Pilhagem de recursos marinhos: estima-se que Moçambique perde 35 milhões de dólares por ano




Ouvir com webReader
Enviar a um Amigo!


Publicidade




clubofmozambique (2010-11-17) O Governo moçambicano diz estar a melhorar os esquemas de controlo e fiscalização da pesca ilegal, uma actividade que resulta em elevados prejuízos ao país.

De acordo com o vice-Ministro das pescas, Gabriel Muthisse, na fiscalização e controlo da pesca ilegal, Moçambique conta com o apoio de vários organismos nacionais e internacionais.

“A pesca ilegal é um desafio que temos que enfrentar porque afecta o país e todo o mundo. Em Moçambique estamos a melhorar os esquemas de fiscalização em conjunto com outros organismos nacionais e internacionais” disse o vice-Ministro.

Ele falava a imprensa a margem da 16/a sessão do comité de pescas em águas interiores e aquacultura de África (CIFAA), que decorre desde hoje (terça-feira) em Maputo, reunindo delegados de 38 países do continente e de várias instituições internacionais.

Com efeito, o governo está já a criar uma comissão inter-ministerial de fiscalização da pesca.

A comissão deverá conceber mecanismos globais para que as águas moçambicanas sejam patrulhadas, evitando, desta forma, a sua invasão quer por aspectos ligados a pesca, quer por outros relativos ao mar.

A referida comissão será constituída pelo Ministério das Pescas e outros órgãos do governo que actuam em assuntos do mar e na fiscalização a nível global.

Apesar de não existirem números exactos, o Ministério das Pescas estima em cerca de 35 milhões de dólares norte-americanos (USD) as perdas anuais em consequência da pesca ilegal nas águas moçambicanas.

Neste momento, a fiscalização é assegurada por uma embarcação fretada pelo governo e duas outras pneumáticas, para além de uma equipe de fiscais e inspectores de pesca posicionados um pouco por todo o país.

O sector de pescas desempenha um papel estratégico na segurança alimentar e nutricional, captação de divisas e geração de emprego.

No seu conjunto, a produção pesqueira, em Moçambique, ascende a cerca de 150 mil toneladas anuais.

A pesca ocupa o quinto lugar nas exportações globais do país, contribuindo actualmente com dois por cento para o Produto Interno Bruto (PIB) e com cerca de 75 milhões USD para a Balança Comercial, por ano.

Moçambique contra barreiras à comercialização aquícolas

O vice-Ministro moçambicano das Pescas, Gabriel Muthisse, apelou para que não se use as directrizes de certificação da aquacultura como uma barreira à comercialização dos produtos aquícolas.

As directrizes de certificação da aquacultura são um instrumento considerado importante para a saúde e sanidade animal, garantia de qualidade, integridade ambiental, e aspectos sócio-económicos.

Este instrumento foi adoptado em Setembro último, na Tailândia, durante a reunião do sub comité das Pescas para a aquacultura.

“Quero aproveitar esta oportunidade para apelar no sentido de não se usar as directrizes de certificação da aquacultura, como uma barreira na comercialização dos produtos desta mesma actividade”, disse Muthisse.

O vice-Ministro referiu que Moçambique não tem dificuldades de comercializar os produtos de aquacultura provenientes das grandes empresas, mas teme que com o incentivo a pequenas e medias empresas deste ramo pesqueiro as directrizes possam constituir um obstáculo, pelo menos para este ultimo grupo.

Estamos a ter sucesso nos produtos de aquacultura comercial porque conseguimos exportar tudo, mas queremos garantir que toda a produção nacional, incluindo dos pequenos e médios aquacultores, seja exportada. É nesse processo de produção aquícola dos pequenos operadores, que gostaríamos que aquelas directrizes não constituíssem uma barreira”, afirmou o vice-Ministro.

Moçambique pretende diversificar os mercados para a colocação dos seus produtos pesqueiros.

Neste momento, o maior destino do pescado nacional, incluindo da aquacultura, é a Europa e pretende-se atingir outros tais como o nacional, africano, e do Médio e Extremo orientes, onde a demanda destes produtos tende a aumentar.

Fonte: RM/AIM


Pin It




Comentar Print this article | Esta notícia foi lida : 927 vezes.

Publicidade
Anuncie Aqui!

BeForward Japanese Used Cars
Parceiros


Vodacom Moçambique


Cardoso Hotel


Internet Solutions


Frexpo


Pam Golding Mozambique


LM Radio


Opinião
Qual a sua opinião acerca da inspecção de viaturas?

Uma boa decisão!

Deviam melhorar as infra-estruturas primeiro!

Discordo, não é preciso!

As exigências são muito severas, não há dinheiro para tantas alterações!

Combustíveis
Gasolina Diesel
MT47.52 p/litro* MT36.81 p/litro*

* preços vàlidos para Maputo, Beira e Nacala

O Governo alterou os preços no dia 06/07/2011
Visto melhor com uma resolução de 1024x768 px.
   WAP Enabled